Por que fazemos logística como fazemos?

Você já se fez essa pergunta? Pare e pense em quanta coisa está acontecendo nos negócios, muita coisa mudou e continua mudando, cada vez mais rápido! Hoje falamos e já vemos tornar-se tendência o e-commerce, mobile commerce, content marketing, bit coin, long tail, omni-channel, AI, IOT, big data, impressora 3D, economia colaborativa, carros autônomos, drones e.. a lista poderia preencher essa página!

Falando especificamente em e-commerce. Estamos muito focados no futuro, apostando em inovações e tecnologias disruptivas, mas ainda fazemos muitas coisas da mesma forma que no passado. Isso pode ser ruim!

Não pouco frequentemente eu me pergunto: por que fazemos logística do jeito que fazemos? Já encontrei respostas diferentes, baseado na minha própria percepção e na de outros profissionais de logística e donos de empresa com quem converso.

Eu acredito que tudo é resultado de uma trajetória histórica. Um caminho foi trilhado durante anos, até que a logística se formatou na maneira que conhecemos. Por outro lado, percebo que a falta de se fazer esse questionamento por si só, já é uma resposta plausível. Os poucos profissionais para quem perguntei, me deram respostas como: "sempre foi assim" ou "esse é o jeito certo". Ambas as justificativas me demonstram uma inconsciente sensação de segurança e comodidade. Creio que é exatamente aí que está o X da questão! A inovação e disruptura não fazem parte de uma zona de conforto, muito pelo contrário. Elas nascem de forma tímida e enfrentam muitas barreiras, algumas vezes não vingam, mas podem se tornar grandes tendências.

Quando falo especificamente em logística, seja na localização dos centros de distribuição ou num modelo de transporte, fico impressionado em como estamos trabalhando de forma ultrapassada. Atuamos hoje num mercado diferente de 5, 10 ou 15 anos atrás... não preciso voltar ainda mais no tempo para ratificar meu ponto de vista! Aplicar solução de problemas do passado nos problemas do presente não parece estar funcionando de forma satisfatória. Se você ainda discorda, pense em quantas vezes deixou de fazer uma compra ou uma venda, porque o valor do frete inviabilizou o negócio!

O modelo de produção, distribuição e varejo mudou no decorrer dos anos. O comércio eletrônico está revolucionando o transporte entre a loja ou indústria ao seu consumidor final. Como consequência, novos problemas estão surgindo, reflexos da redução dos prazos de entrega, capilaridade das coletas e entregas, integrações sistêmicas e maior fracionamento de carga. A solução está em se reinventar! O Uber se beneficiou do excesso de pessoas se locomovendo em centros urbanos para elas se colaborarem entre si, com uma nova forma de transporte de passageiros. Não foi necessário adquirir frota de veículos ou contratar motoristas profissionais. Bastou utilizar os recursos já disponíveis para operar um modelo de transporte, organizado através de um aplicativo mobile. O mesmo vale para o Airbnb, Alibaba, Ebay e vários marketplaces.

Voltando ao assunto transporte de cargas... com tantas pessoas, carros, caminhões e centros de distribuição disponíveis no mercado. Por que ainda fazemos logística como fazemos?

Posted in Inovações e Tendências, Logística no E-commerce, Segmentos and tagged , , , .

Rafael Mendes

CEO & Founder da ASAP Log | Soluções em Logística, profissional com experiência em empresas multinacionais de serviços e indústria no Brasil e Estados Unidos nas áreas de Planejamento, Projeto e Supply Chain.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *