Entregas colaborativas funcionam?

A solução de entregas colaborativas deriva de um conceito mais amplo, a economia colaborativa. Antes de falarmos especificamente da aplicação nas entregas, é importante fazer uma breve reflexão sobre o tema.

A primeira coisa para se pensar é que, em geral, economia colaborativa, resume-se a utilizar com mais eficiência tudo o que apresenta disponibilidade. Pense num carro que fica parado a maior parte do dia numa garagem (ou estacionamento), num quarto (ou apartamento) vazio por dias, equipamentos que são utilizados apenas esporadicamente, assentos desocupados nos veículos durante viagens e, por ai vai.

A colaboração se tornou uma solução para a oferta de tudo aquilo que não era muito utilizado, gerando receitas para os proprietários. O assunto é ainda mais amplo, talvez se ouvíssemos alguém falar sobre isso anos atrás, não acreditaríamos na sua viabilidade ou no tamanho do impacto que pudesse gerar. De fato não é de se estranhar tal reação. Já pensou em entrar no carro de alguém que você não conhece? Deixaria alguém que não conhece dormir na sua casa? Pois é, isso leva a segunda coisa para se pensar. A razão do sucesso do Uber, Airbnb, Bla bla car, entre outras se dá por um motivo simples: a confiança.

Você entra num carro de alguém que não conhece, permite que uma pessoa que também não conhece use um quarto ou todo seu apartamento ou ainda, pega uma carona para viajar com alguém que também nunca viu antes! Por quê? Você confia nessas pessoas? Provavelmente a resposta é não, mas você se sente seguro pela instituição que está por trás delas. Neste ponto gostaria de fazer uma breve retrospectiva, a qual conheci pela primeira vez através de uma palestra no TED Talks. Muitos anos atrás as pessoas confiavam em outras pessoas. Comprava-se pão "no português", levava o carro para "o seu Júlio" e assim, por diante. Lembra-se que alguns negócios permitiam "comprar fiado"? Com o passar do tempo, as pessoas pararam de confiar em outras pessoas. Foi quando as instituições ganharam a confiança. Hoje vivenciamos uma mistura dos dois momentos, confiamos em pessoas, desde que garantido por instituições.

Agora que entendemos um pouco melhor a ideia de economia colaborativa, vamos falar sobre sua aplicação para entregas. Partindo do princípio que uma loja confie seus pacotes a pessoas que ela não conhece para realizar o frete. Superando essa parte, ainda ficam algumas questões, mas a principal é: entregas colaborativas funcionam? Como praticamente tudo, a resposta é depende! Conhecer o funcionamento dessa solução é essencial para avaliar o "fit" com seu negócio.

Em termos operacionais, assim como outras soluções colaborativas, é necessário um aparato tecnológico para organizar e comunicar todo o trabalho entre os envolvidos. Sistemas web e aplicativos são mandatórios para que a loja possa solicitar uma entrega e um entregador receber a solicitação. É claro que a tecnologia processa todos os dados de uma entrega, faz validações de peso, volume e praça, distribui a coleta e entrega para sua rede de forma otimizada. Produtividade é um ingrediente básico para o sucesso das entregas colaborativas. Se o preço e o custo forem altos, deixa de ser interessante para quem envia o pedido e também para quem entrega. Outro ingrediente básico é a comunicação, tanto nos casos de não conformidades quanto na atualização do status de entrega.

Atualmente existem poucas empresas de entrega trabalhando neste modelo, mas tanto essas quanto as que possam surgir, devem realizar uma criteriosa seleção e constante avaliação da sua rede de entregadores. Uma entrega fora do prazo, extravio ou avaria pode resultar em insatisfação do cliente final ou até indenização. Outro ponto que infelizmente faz parte da realidade de entregas é a falta de segurança pública. Por este motivo a empresa deve oferecer garantia ou seguro das mercadorias em caso de assaltos.

Em geral, até esse momento, as entregas colaborativas estão limitadas ao raio municipal, ou seja, coleta e entrega dentro da mesma cidade através de motoboys. Desta forma, torna-se possível atender apenas alguns segmentos específicos. Para o caso do comércio eletrônico, o maior volume de pedidos das lojas virtuais tem como destino outras cidades e estados. 

Como toda inovação, é necessário tempo para prototipar, validar e adaptar até que se possa replicar e escalar. As entregas colaborativas podem resolver o problema do frete para pequenas lojas virtuais. Esse perfil de negócio sofre com a escassez da oferta de soluções em entrega para e-commerce, geralmente não tendo opções senão Correios. Neste caso, além dos altos preços, precisam levar seus pacotes até uma agência para realizar a postagem.

LEIA TAMBÉM SOBRE

Assine nossa newsletter

Receba novos posts e materiais gratuitos.










Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar