Como funciona entrega no e-commerce?

A logística está entre as principais preocupações das lojas virtuais. O tema entrega tem alta relevância, principalmente pelo seu impacto na satisfação do e-consumidor e competitividade entre os varejistas. Devido essa importância, encontramos facilmente centenas de conteúdos falando sobre o assunto na internet. Mas na prática, você sabe como funciona uma entrega no e-commerce?

Neste post explicaremos de forma geral como funciona uma entrega, considerando as etapas e condições ideias. O nome das ocorrências e a frequência de atualização podem variar entre os prestadores de serviços.

Abordaremos a seguir uma entrega interestadual, ou seja, coleta e entrega em estados diferentes.

1. Notificação

Sempre que um pedido é realizado, a transportadora precisa receber as informações de endereço de entrega, valor dos produtos e peso (real ou cubado). Essas informações estão contidas na nota fiscal de venda, que por sua vez são enviadas para a Receita Federal e geradas eletronicamente em arquivo XML. É comum que ocorra integração sistêmica (EDI - Electronic Data Interchange) entre o sistema da loja e a transportadora. Essa comunicação costuma ser realizada através do padrão PROCEDA, nesta etapa através do Notifis. Desta forma a transportadora tem a ciência de quais notas fiscais deverá gerar o documento fiscal de transporte cabível, geralmente CT-e ou NFS-e, além de organizar suas rotas de coleta e entrega.

2. Coleta e consolidação

As coletas costumam ser realizadas dentro de uma janela pré-acordada na unidade física da loja, neste momento é gerada uma ocorrência de coleta. As transportadoras de e-commerce costumam realizar diversas coletas durante o dia, aproveitando o tempo hábil e espaço disponível nos veículos. Os pedidos coletados são levados até um HUB da transportadora, onde são descarregados os veículos de coleta, roteirizados e carregados em caminhão de transferência. Nesta etapa é gerada uma ocorrência de mercadoria em transferência entre as unidades da transportadora.

3. Desconsolidação e roteirização

Com a chegada das mercadorias no HUB mais próximo do endereço de entrega é gerada uma nova ocorrência. Os caminhões de transferência são descarregados, as mercadorias roteirizadas e carregadas em veículos urbano de cargas. Nesta etapa é gerado ocorrência de mercadoria em rota de entrega.

4. Entrega

O entregador sai do HUB da transportadora com seu veículo carregado e uma rota de entrega, geralmente pré-definida. A medida que realiza cada entrega, coleta o nome, RG ou CPF e assinatura do recebedor no canhoto da nota fiscal, lista de entrega ou sistema. Em geral é possível entregar um pacote para pessoas maiores de 16 anos portando um documento de identificação, desde que no endereço de entrega definido pelo e-consumidor. Caso a entrega seja realizada com sucesso, é gerada uma ocorrência de entrega. Porém nem sempre é possível concluir a entrega, os principais motivos são: destinatário ausente, endereço não localizado e destinatário desconhecido no endereço de entrega. Nos casos em que o destinatário está ausente é comum que ocorram 3 tentativas de entrega, mas se todas forem frustradas, inicia-se o processo de devolução para o remetente. Nas demais situações a transportadora pode solicitar confirmação dos dados e proceder com uma nova tentativa ou ainda, devolver para a loja virtual.

Conhecendo melhor os bastidores de uma entrega fica mais fácil de compreender os processos operacionais das transportadoras. Também é possível imaginar o percurso dos pacotes, o que deixa claro a necessidade de uma embalagem segura. Lembre-se ainda que tudo isso acontece em massa e simultaneamente. Softwares  de gerenciamento de transporte (TMS - Transportation Management System), roteirização de entregas e hardwares de movimentação de mercadorias como os sorters costumam ser aplicados para facilitar o controle operacional e maximizar a eficiência operacional das transportadoras.

Posted in Logística no E-commerce and tagged .

ASAP Log

Operador Logístico que oferece soluções inovadoras para problemas comuns das empresas e seus clientes. Analisamos a realidade do mercado e buscamos aplicar conceitos de economia colaborativa, escalabilidade e tecnologia no desenvolvimento de modelos logísticos eficientes e viáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *